Desenvolvimento de competência e o respeito às pessoas

Mesmo times motivados, empoderados e alinhados, não conseguem atingir seus objetivos se seus membros não são competentes. Como desenvolver a competência e as habilidades das pessoas? Como melhorar os processos e alcançar as expectativas? Como incrementar e melhorar a qualidade?

Em 1983 a Toyota reabriu a planta da GM em Fremont, nos Estados Unidos. A planta acabara de ser fechada pela GM pois era a menos produtiva de todas as plantas dos três principais fabricantes de veículos do país. Resultado? Em pouco tempo os carros produzidos tinham a melhor qualidade interna de acordo com as auditorias internas da GM, isso apenas com metade da força de trabalho empregada antes do fechamento.

Mesmo com estudos evidenciando a brutal diferença de resultado na forma de trabalho, até 2003, menos de 1% das empresas fora do ecossistema da Toyota conseguiam ter domínio da sua forma de trabalho. Mas, por que?

A forma de trabalho da Toyota tem dois pilares fundamentais: a melhoria contínua e o respeito às pessoas. As práticas focadas na melhoria contínua sempre foram as mais fáceis de serem entendidas e replicadas pelos outros fabricantes. Entretanto,  dificilmente surtiam o efeito desejado quando o pilar ‘respeito às pessoas’, bem mais difícil de entender para quem coloca os óculos da gestão tradicional, não era considerado.

Na abordagem da Toyota, o respeito às pessoas é o que oferece o combustível para a melhoria contínua. Esse pilar viabiliza que a melhoria pela qualidade seja empurrada para o nível mais operacional possível. A empresa, nesse sentido, preocupa-se em manter suas políticas de seleção, treinamento, reconhecimento e supervisão, alinhadas com essa visão.

Qual a relação dessa história com o desenvolvimento de competências? Pois bem, quando falamos em Management 3.0 e no desenvolvimento de competências, a primeira prática e a mais importante é o auto-aprendizado. Outras práticas podem ajudar, mas se não houver a busca pelo auto-aprendizado, todas as outras abordagens tornam-se inócuas. O engajamento em relação ao auto-aprendizado passa necessariamente pelo respeito às pessoas.

No curso de Management 3.0 geralmente conversamos sobre os níveis de habilidade e níveis de disciplina, como e quando aplicar as 7 abordagens para o desenvolvimento de competência, como medir o progresso em um sistema complexo, o efeito da sub-otimização e várias dicas para métricas úteis.

Caso você tenha interesse em participar do curso, não deixe de se inscrever. Temos uma próxima turma iniciando dia 17 de Março à noite em Porto Alegre.  Caso tenha interesse acesse as informações para a inscrição.