Amazon Web Services com tudo nesse início de ano

O começo de 2013 da Amazon Web Services (AWS) está turbinado de lançamentos e novidades.

No final de 2012 foram anunciadas as instâncias de segunda geração Extra-Large (M3.XL, com 15GB de RAM e 13 ECUs) e Dupla Extra Large (M3.2XL, com 30GB de RAM e 26 ECUs). Inicialmente disponíveis somente nas regiões US-East, US-West-Oregon, US-West-California e EU-East (Irlanda), a partir do começo do mês de Fevereiro estes tipos de instâncias estão disponíveis também nas regiões SA-1 (South America, em São Paulo), AP-1 (Asia-pacific-1, em Cingapura), AP-2 (Asia-pacific-2, no Japão) e AP-3 (Asia-pacific-3, na Australia). Além disso, no início de Fevereiro houve uma redução no valor-hora de processamento de instâncias EC2 em todas as regiões, na ordem de 10 a 20%.

Também em fevereiro a AWS lançou o serviço de datawarehousing RedShift. Trata-se de um serviço gerenciado de warehouse, e em escala de petabytes. O Amazon Redshift gerencia todo o trabalho necessário para configurar, operar e dimensionar um cluster de warehouse de dados, do provisionamento de capacidade ao monitoramento e backup do cluster, à aplicação de patches e upgrades. Segundo a AWS, pode trabalhar com quase qualquer ferramenta de business inelligence (BI) existente no mercado.

O Redshift possui arquitetura de armazenamento colunar e compactação de dados para reduzir a quantidade de E/S para realizar consultas, e roda em hardware otimizado para datawarehousing, com armazenamento vinculado local e conexões de rede de 10 GigE entre nós. A arquitetura de processamento foi projetada para ser massivamente paralela. Os clusters do redshift podem ser compostos de instâncias extra large (XL) ou óctupla extra large (8XL).

Na semana passada, dia 19 de fevereiro, foi lançado mais um serviço, o Amazon OpsWork. Trata-se de uma plataforma visual, acessível pelo AWS Console, para provisionamento e gerenciamento de uma infraestrutura na nuvem AWS. É possível configurar a(s) instância(s) EC2 desejada(s), já indicando o tipo de uso que se fará dela(s), como por exemplo, servidor de aplicações Rails ou PHP, ou servidor de banco de dados, entre outros. Além disso, toda a política de auto scaling e o próprio deploy da aplicação e carga do banco de dados é feita através de um wizard, sem a necessidade de se fazer um script ou acesso via SSH. Pelo que deu para experimentar, é uma evolução do CloudFormation, para gerenciamento de um stack (pilha) de forma visual.

Deixe uma resposta